Geral

Em MG, 42% dos eleitores são conservadores, revela pesquisa

Entrevistados defendem Bolsa Família e ensino religioso na escola e são contra o aborto

Rastro101
Com informações do site O Tempo

12/11/2021 por Redação

Divulgação/O TempoDivulgação/O TempoO instituto DATATEMPO mediu pela primeira vez o índice de conservadorismo dos mineiros. De acordo com a pesquisa, a maior parte da população, 41,9%, é conservadora. O segundo maior grupo é formado por 34,7% dos mineiros, que são ambivalentes e transitam entre posições conservadoras e progressistas. Já 22,8% da população do Estado é progressista, e 0,6%, muito progressista. 

Para calcular esse índice, a pesquisa fez 11 perguntas aos entrevistados. O objetivo foi avaliar a opinião deles sobre temas como a legalização do aborto, a descriminalização da maconha e o casamento civil entre pessoas do mesmo gênero, dentre outras. Para cada uma dessas questões que o entrevistado se posicionou de forma contrária, foi atribuído um ponto. 



Também foi questionada a opinião dos participantes do levantamento em relação a pena de morte no Brasil, militarização das escolas públicas e ensino religioso nas escolas. Em questões do tipo, o entrevistado que fosse favorável aos temas também ganhava um ponto. 

Ao final, o instituto DATATEMPO criou uma escala e somou as respostas: quem não pontuou, foi considerado muito progressista quem teve de 1 a 4 pontos foi classificado como progressista os ambivalentes ficaram entre 5 e 6 pontos e os conservadores, de 7 a 10. Seria muito conservador quem respondesse às 11 questões de forma conservadora, mas nenhum entrevistado cumpriu o critério. 

 

Maioria  As posições predominantes entre os mineiros são a defesa do Bolsa Família (85,2%), a avaliação de que as escolas devem ensinar as crianças a rezar e a acreditar em Deus (85%), a opinião contrária à legalização do aborto (81,2%) e a postura favorável à redução da maioridade penal (73,4%).  “Notamos que a maioria dos católicos e dos evangélicos se encontra mais associada ao conservadorismo. Já os espíritas tendem a concordar mais com atitudes progressistas”, avalia a coordenadora da pesquisa, Audrey Dias.   No cruzamento do índice com as respostas sobre a religião, 41,7% dos católicos são conservadores, número que chega a 47,9% entre aqueles que se declaram evangélicos. Entre os espíritas, 45% deles são progressistas.    Necessidade   A cientista política destaca também que o Bolsa Família – programa que chegou ao fim no último dia 31 sob a justificativa de que será integrado ao Auxílio Brasil – é apoiado por todas as ideologias e extratos sociais em Minas Gerais, embora nos anos iniciais do programa essa defesa fosse feita por setores à esquerda.  “Um dos fatores que podem ajudar a entender esse resultado do Bolsa Família é o tempo de existência do programa no Brasil, em termos de legado para a vida da população, e também o uso de auxílios emergenciais durante a pandemia. Quem antes não precisava passou a enxergar a importância desse programa”, afirma a cientista política.  Dados A pesquisa foi feita de 29 de outubro a 3 de novembro. Foram 1.402 entrevistas em todas as regiões de MG. A margem de erro é de 2,62 pontos, e o nível de confiança, 95% 

Link curto: https://bit.ly/3FdjHMD

TÓPICOS:
Datatempo

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu