Geral

Vereador propõe políticas de diversidade ao Plano Municipal de Cultura

O vereador e relator do Plano Municipal de Cultura, Sílvio Humberto (PSB), propôs emendas para assegurar a participação de mulheres, pessoas negras e comunidade LGBTQIA+ no projeto que, se aprovado, terá validade de dez anos em Salvador

Rastro101
Com informações do Bahia Notícias

26/10/2021 por Redação

Divulgação/Bahia NotíciasDivulgação/Bahia Notícias O vereador e relator do Plano Municipal de Cultura, Sílvio Humberto (PSB), propôs emendas para assegurar a participação de mulheres, pessoas negras e comunidade LGBTQIA+ no projeto que, se aprovado, terá validade de dez anos em Salvador.

 

Sílvio Humberto destaca que as emendas visam oportunizar contratações artísticas a grupos historicamente oprimidos. "Embora possua a presença marcante de pessoas não negras, a Cultura possui seguimentos majoritariamente ocupados por mulheres, pessoas de cor negra e LGBTQIA+, como as quadrilhas juninas, por exemplo, que atuando nas periferias trazem esse recorte e protagonismo.  Então a reserva de vagas nessa disputa que também envolve raça, gênero e sexualidade é uma forma de garantir inclusão e diversidade", explica.

 

A emenda modificativa apresentada por Silvio Humberto altera a ação de uma das metas do PLE 208/2021, que versa sobre a contratação de artistas em apoio à mediação cultural pela comunidade escolar, observando a participação de artistas com deficiência.

 

O edil também propôs a realização de atividades integradas, como gincanas e feiras culturais, fora do espaço formal de educação e envolvendo grupos de diferentes expressões em articulação com a Secretaria de Educação. "O objetivo é viabilizar as várias possibilidades de expressões artísticas, culturais e identitárias fora do espaço escolar, promovendo assim uma interação entre comunidade e escola", justifica.

 

O vereador propôs ainda a implementação do mês de julho no calendário junino municipal, ampliando desta forma, as ações festivas para junho e julho. O vereador avalia esta medida como uma pauta importante não apenas para os grupos culturais juninos, mas para toda uma cadeia que tem esse período como crucial.

 

Se aprovado, o PMC terá validade de dez anos em Salvador, com metas a serem implementadas a partir de janeiro de 2022.  O projeto segue em trâmite na Câmara Municipal e deve ser incluído na pauta de votação nas próximas semanas.

Link curto: https://bit.ly/3vJEmEO

TÓPICOS:
Bahia

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu