Economia

Empresas de tecnologia correm para criar certificados digitais de vacinas

Isso turbinou ainda mais a competição entre empresas de tecnologia, agências estaduais e organizações sem fins lucrativos para a criação de um aplicativo, um passaporte eletrônico ou um certificado digital q

Rastro101
Com informações do Época Negócios

02/04/2021 por Redação

Divulgação/Época NegóciosDivulgação/Época Negócios
(Foto: Foto: Pexels)

 

O governo do novo presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, disse que não criará um aplicativo nacional de vacinação, deixando para o setor privado a criação de passaportes digitais móveis que possam provar que as pessoas foram vacinadas contra o covid-19.

Isso turbinou ainda mais a competição entre empresas de tecnologia, agências estaduais e organizações sem fins lucrativos para a criação de um aplicativo, um passaporte eletrônico ou um certificado digital que ateste a imunização. Há meses vem crescendo uma disputa para tentar inventar um método eletrônico seguro para armazenar e compartilhar registros de vacinação e resultados de testes de coronavírus - em suma, algo mais sofisticado e privado do que um registro em papel cartão.

saiba mais


OMS diz que é preciso derrotar &39nacionalismo de vacinas&39 para superar pandemia



De acordo com a NBC News, tecnólogos e consultores que estão ajudando a projetar futuros cartões digitais de vacinas disseram que estão contando com o governo Biden para fornecer apoio federal para o esforço, mesmo que os funcionários estejam trabalhando principalmente nos bastidores para moldar decisões relacionadas à privacidade ou sobre onde passaportes de vacinas podem ser implantados.

&ldquoIsso é algo que não pode ser conduzido exclusivamente pelo setor privado&rdquo, disse Dakota Gruener, diretora executiva da ID2020, um grupo sem fins lucrativos que trabalha com identificação digital e faz parte de uma colaboração para desenvolver certificados de saúde.

Um passaporte de vacina pode, por exemplo, exibir um QR Code que uma empresa pode escanear para verificar o status de vacinação. Ou exibir algo mais simples, como uma marca de seleção verde ou X vermelho.

Mas os vários projetos em andamento enfrentam uma série de desafios, como os de evitar registros falsificados, proteger a privacidade dos usuários e garantir que aplicativos diferentes se conectem entre si.

As decisões sobre essas questões podem repercutir durante anos, disse Jenny Wanger, diretora de programas da organização sem fins lucrativos Linux Foundation Public Health. &ldquoSe você comprometer alguns desses princípios fundamentais, como privacidade e padrões abertos, será muito difícil fazer com que esse tipo de decisão desapareça&rdquo, disse Jenny.

Especialistas esperam alta demanda por algum tipo de prova digital de vacinação nos próximos meses. Empresas como companhias aéreas, escritórios ou mesmo estabelecimentos de alimentação poderiam pedir para ver evidências antes de permitir a entrada ou atender um cliente. Fora dos EUA, a Qatar Airways e outras companhias aéreas testaram um aplicativo destinado a fornecer prova de vacinação e resultados de testes.

O Madison Square Garden tem sido um dos locais de teste do Excelsior Pass, um esforço do estado de Nova York com base na tecnologia da IBM. E o Walmart disse que as pessoas que foram vacinadas em milhares de suas lojas poderão obter um cartão digital de vacinação.

&ldquoTrata-se realmente de colocar os dados de saúde em um envelope digital de segurança&rdquo, disse Paul Meyer, CEO do The Commons Project, uma organização sem fins lucrativos que desenvolveu a tecnologia usada pelo Walmart e algumas companhias aéreas.
Meyer disse que os testes das companhias aéreas têm sido um sucesso &ndash a Lufthansa disse que está expandindo o uso do aplicativo CommonPass para mostrar os resultados dos testes &ndash, mas a ampla adoção exigirá um esforço maior e mais sustentado. "Há uma grande diferença entre os testes e as operações completas", disse ele.

Em outras palavras, pode levar alguns meses até que os passaportes de vacinas estejam amplamente disponíveis e sejam usados ​​nos EUA.

Eren Bali, CEO da Carbon Health, com sede na Califórnia, disse que sua empresa tem fornecido registros digitais para as pessoas vacinadas e que 600 mil pessoas os utilizaram. Agora, a empresa está procurando expandir a oferta e tornar os cartões compatíveis com diferentes "carteiras" de smartphones. &ldquoOnde quer que você tenha sido vacinado nos Estados Unidos, poderemos lhe dar um passe de saúde verificado&rdquo, disse Bali.

A Rutgers University, em Nova Jersey, disse que exigirá prova de vacinação contra covid-19 para a maioria dos alunos antes que eles possam assistir às aulas pessoalmente neste outono, embora não tenha dito até agora quais tipos de prova serão aceitas.

As exigências podem levantar questões espinhosas, como sobre a inclusão de pessoas que não usam um smartphone e, portanto, não têm um registro digital. Alguns temem o desenvolvimento de uma economia de dois níveis ao longo das linhas de vacinação, embora as vacinas Covid-19 devam estar amplamente disponíveis nos EUA já em maio.

Também há protestos crescentes de alguns republicanos e libertários que começaram a argumentar que os passaportes de vacinas são uma violação dos direitos civis. O governador da Flórida, Ron DeSantis, disse que emitirá regras que evitam que as empresas exijam prova de vacinação, embora não esteja claro quanta energia ele terá para impedir a prática.

Mas há uma ampla gama de organizações e empresas trabalhando para fazer com que os passaportes sejam ao menos uma opção. O governo Biden contabilizou pelo menos 17 esforços desse tipo para lidar com diferentes partes do problema, de acordo com um documento do governo obtido pelo The Washington Post.

Jen Psaki, a secretária de imprensa da Casa Branca, disse em uma coletiva que o governo não está planejando um banco de dados central de vacinas federal, uma função que, para outros tipos de vacinas, historicamente cabe aos estados. "O desenvolvimento de um passaporte de vacina, ou como você quiser chamá-lo, será conduzido pelo setor privado", disse Psaki. Mas ela disse que o governo planeja emitir recomendações em algum momento para que os certificados atendam a certos padrões.

&ldquoQueremos direcionar o mercado para atender às metas de interesse público, então vamos alavancar nossos recursos para garantir que todos os sistemas de credenciais de vacinação atendam aos principais padrões, sejam eles de acessibilidade universal, acessibilidade econômica ou disponibilidade, tanto digitalmente quanto no papel&rdquo, disse ela.

A administração de Biden pode ser solicitada a ajudar a decidir questões, como sobre quando é apropriado pedir a alguém um comprovante de vacinação, disse Gruener. &ldquoQuais são os ambientes ou locais onde é permitido pedir comprovante de vacinação, e onde isso não é permitido?&rdquo, disse ela.

O mesmo se aplica à quantidade de informações sobre saúde que um local ou uma empresa consegue ver. &ldquoA única coisa que o segurança do local do concerto precisa saber é: a pessoa atende aos critérios de entrada, sim ou não?&rdquo, disse Gruener. &ldquoEsse é um lugar onde acho que a administração tem um papel importante a desempenhar.&rdquo

Há também a questão do possível financiamento federal para registros de vacinação estaduais e locais. Essas agências, que em última instância armazenam muitos dos registros de vacinação do país para fins como frequência escolar, investiram relativamente pouco para disponibilizar amplamente os registros digitais e podem precisar de atualizações se forem trabalhar com passaportes Covid-19.

"Não é que os estados não estejam interessados ​​na ideia, mas isso não está no topo da lista de prioridades", disse Rebecca Coyle, diretora executiva da American Immunization Registry Association, uma organização associativa para vacinas estaduais e registros locais.

Os cartões de vacina digitais já estão em uso em Israel, onde o governo nacional e um sistema de saúde centralizado aceleraram seu desenvolvimento. Os líderes da União Europeia anunciaram o desenvolvimento de um "passe verde digital" semelhante.

O sistema dos EUA já está mais livre, com várias empresas, como a IBM, testando as primeiras versões de certificados digitais. "Queremos incentivar um mercado aberto com uma variedade de empresas do setor privado e coalizões sem fins lucrativos desenvolvendo soluções", disse Psaki.

+Quer conferir os conteúdos exclusivos de Época NEGÓCIOS? Tenha acesso à versão digital+


Quer receber as notícias de Época NEGÓCIOS pelo WhatsApp? Clique neste link, cadastre o número na lista de contatos e nos mande uma mensagem. Para cancelar, basta pedir. Ou, se preferir, receba pelo Telegram. É só clicar neste link.

 

Link curto: https://bit.ly/3rG4TPC

TÓPICOS:
Negócios

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101

cachedMais notícias

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

menu
'; $("#conteudoMateria br:eq(2)").after(pub); //$('#conteudoMateria').find('br:nth-child(1)').after(pub); });