Economia

Coronavírus: adoção do trabalho híbrido deve aquecer demanda por coworking

Época Negócios

Rastro101
Com informações do Época Negócios

12/01/2021 por Redação

Divulgação/Época NegóciosDivulgação/Época Negócios
Fernando Bottura, CEO da GoWork (Foto: Divulgação)

 

"Um teste de resiliência". É assim que Fernando Bottura, CEO da GoWork, define os primeiros meses da pandemia em 2020. A expectativa era de um crescimento de 100% no ano passado, mas a empresa de coworking fechou 2020 comemorando uma alta de 30%. Hoje, meses depois da chegada do novo coronavírus ao Brasil e com a gradual reabertura da economia, a GoWork tem 95% de posições contratadas. Os prédios, entretanto, ainda operam com capacidade reduzida para manter os protocolos de distanciamento social.

Com a pandemia, diz Fernando, cresceu a demanda de empresas tradicionais, como escritórios de advocacia e consultorias, pelas posições em coworkings. Segundo ele, isso é um indicativo de que as companhias começam a respensar seus espaços físicos, considerando um modelo de trabalho híbrido. A GoWork fechou 2020 com 70% de seus contratos com grandes corporações e 30% de startups e empreendedores. "Essa catalização criada pelo trabalho em casa criou o melhor momento para os coworkings", diz Fernando.

Confira a entrevista completa no NegNews desta terça-feira (12/01):



Quer conferir os conteúdos exclusivos da edição de janeiro/2020 de Época NEGÓCIOS? Tenha acesso à versão digital.

Quer receber as notícias de Época NEGÓCIOS pelo WhatsApp? Clique neste link, cadastre o número na lista de contatos e nos mande uma mensagem. Para cancelar, basta pedir. Ou, se preferir, receba pelo Telegram. É só clicar neste link.

Link curto: https://bit.ly/35wPOaH

TÓPICOS:
Negócios

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu