Geral

Olhar o eclipse solar sem proteção pode causar cegueira, mas há alternativas seguras; Veja dicas

G1 - com informações do G1

Rastro101
Com informações do G1

11/10/2023 por Redação

Em São Luís, haverá distribuição de lentes especiais para observar o fenômeno. Confira horários e os melhores locais para visualização. Uma mulher testa óculos especiais para o eclipse solar total em Coquimbo, no Chile.
Rodrigo Garrido/Reuters
No dia 14 de outubro, o Maranhão será um dos estados privilegiados em que um eclipse solar anular poderá ser observado. Em algumas regiões, inclusive, o sol será encoberto quase completamente pela lua. Mas especialistas alertam para os riscos à visão durante a observação do fenômeno
✅ Clique aqui para seguir o novo canal do g1 Maranhão no WhatsApp
Físicos e oftalmologistas apontam a necessidade do uso de equipamentos adequados para olhar o eclipse, pois o risco de causar danos aos olhos - que futuramente podem levar à cegueira - é real.
Confira: Pacientes têm problemas de visão após olhar para eclipse sem proteção
O g1 Maranhão conversou com especialistas e traz algumas orientações para quem deseja apreciar o eclipse com toda a segurança. Em São Luís e em Balsas, por exemplo, haverá distribuição gratuita de telas para os olhos que garantem a observação sem riscos à visão.
Riscos
O oftalmologista Romero Bertrand afirma que o problema principal dos eclipses se baseia no fato da lua não encobrir totalmente a luz do sol, especialmente no eclipse anular, no qual um anel de luz ao redor da lua continuará visível.
Aquela parte pequena de luz que passa (raio solar) emitido pelo sol vai lesar a área central da retina humana que chamamos de mácula. Pode lesionar por efeitos fotoquímicos da radiação solar as células responsáveis pela visão, chamadas de cones e bastonetes (fotoreceptores), que no caso dessa região central são principalmente os cones dessa região nobre do fundo do olho que podem sofrer alterações dos raios, principalmente dos raios UVA irradiados pelo sol, conta Romero, que também é professor na Universidade Federal do Maranhão (UFMA).
Como acontece a lesão no olho?
Lua passa entre o sol e a terra durante um eclipse solar anular em Abu Dhabi. Parte da luz ao redor continua visível durante todo o fenômeno.
REUTERS/Christopher Pike
A lesão nos olhos pode acontecer porque, como o sol não está brilhando tão intensamente, o ser humano tende a se sentir confortável em olhar para diretamente para ele, o que não acontece em dias normais.
Em um dia normal, a gente não olha pro sol. Além disso, em condições normais, a pupila do olho, por causa da claridade, vai diminuir o diâmetro, filtrando a quantidade de radiação que está entrando no olho. Nesse caso, com o sol sem brilhar tanto, a gente não vai se sentir desconfortável de olhar para ele, a pupila não estará tão fechadinha, fora a curiosidade de querer ver o eclipse, explica Jorge Antonio Meireles, oftalmologista e professor no curso de Medicina na UFMA.
Veja também: As cidades do MA com melhor observação do eclipse solar anular
Caso a pessoa insista em olhar diretamente para o sol, por longos períodos, sem nenhuma proteção especial, há o risco real de cegueira (a longo prazo) devido a algumas doenças provocadas por queimaduras na córnea e na parte externa dos olhos.
Isso acontece algumas horas após a exposição por tempo prolongado ao sol sem proteção adequada, ou mesmo catarata, que é a opacificação da lente natural do olho, ou lesões graves na retina, como maculopatias (alteração na parte central da visão) causando importante perda visual, descreve a oftalmologista Milena Pinheiro.
O que fazer diante dos riscos?
A lua passa entre o sol e a terra durante eclipse solar anular visto de Cingapura
REUTERS/Tim Chong
Existem várias formas que podem garantir segurança ao público na hora de observar o eclipse. Um dos equipamentos mais recomendados para quem quer observar um eclipse são os óculos de proteção especial, pois eles criam uma barreira física entre os raios que vêm do sol e o próprio olho.
Além disso, existe também a opção de filtros específicos em telescópios para a visualização do fenômeno. Vale lembrar que o tipo de filtro tem que ser adaptado para a observação astronômica e também de procedência segura, já que muitos equipamentos são comercializados por meio de terceiros.
Os óculos especiais precisam ser inspecionados antes do uso para saber se estão em boas condições e principalmente se possuem certificação ISO 12312-2. Uma forma alternativa seria usar óculos para solda com filtro 14 ou maior. Lembrando sempre de evitar uso de raio-x ou lentes escuras sem filtro adequado que fazem a pupila dilatar e a luz incidir mais diretamente nos olhos, causando danos ainda maiores, alerta Milena Pinheiro.
Filtro soldador nº14
Reprodução/Inter TV Cabugi
Uma boa alternativa e barata é ir até lojas de ferramentas para metalúrgicos ou soldadores, onde as lentes de nível 14 ou superior podem ser encontradas por valores de até R$ 3. Porém, é preciso ficar atento com a procedência e a certificação da lente.
Distribuição de lentes gratuitas
Em São Luís (Praça Maria Aragão) e em Balsas (No campus da UFMA), será montado um observatório com distribuição de lentes especiais para olhar o sol diretamente, durante o eclipse, que deve durar cerca de uma hora, a depender da localização, entre as 15h e as 17h.
Serão 350 lentes em Balsas e 1.250 em São Luís que serão disponibilizados e depois terão que ser devolvidos. A disponibilidade será gratuita, afirmou o professor de Física, Antônio Oliveira, coordenador do Ilha da Ciência-Planetário, da Universidade Federal do Maranhão, que fará a distribuição das lentes.
Prefeito de São Luís,, Eduardo Braide, olha o sol com a lente que será distribuída ao público no dia 14 de outubro, pelo Ilha da Ciência, na Praça Maria Aragão
Divulgação/Ilha da Ciência
Quais os melhores locais para ver o eclipse?
O eclipse solar anular poderá ser visto de todas as capitais do Brasil, incluindo Brasília, no Distrito Federal. Natal e João Pessoa vão ser as melhores capitais para observar o fenômeno, mas São Luís e toda as cidades do interior do Maranhão poderão observar o eclipse, de acordo com a localização.
As melhores cidades para observar são aquelas que estão no centro da faixa de visibilidade do anel de fogo, ou seja, as cidades onde será possível ver o anel completo do eclipse anular. Em localidades mais ao Norte e Nordeste, a faixa de visibilidade do eclipse é melhor.
Mapa com o rastro do eclipse solar anular mostra que João Pessoa e Natal são as melhores capitais para ver o fenômeno, mas São Luís também poderá ver
Reprodução/Solarium
Conforme é possível ver na imagem acima, o anel de fogo passa também pela região centro-sul do Maranhão, onde várias cidades poderão ter a melhor visão do eclipse.
É o caso de São Pedro dos Crentes e Buritirana, que serão os municípios com melhor localização para ver o eclipse no Maranhão. Por lá, a lua irá cobrir o sol em quase 90%, deixando uma sensação quase completa de dia virando noite. Já em São Luís, a lua irá cobrir cerca de 80% do sol.
Veja abaixo:
Linha tracejada mostra a região onde será possível ver o sol coberto em quase 100%. São Pedro dos Crentes está em posição perfeita
Reprodução/Time and date
Melhores cidades do MA para observar o eclipse
Horário do fenômeno
O horário em que o eclipse poderá ser visto em cada uma das cidades difere por conta da movimentação dos astros e também da própria geografia de cada localidade. Em São Luís, o fenômeno deve começar às 15h14 min e terá a máxima obscuridade às 16h14min.
No estado do Amazonas, o evento se inicia mais cedo. Neste caso do estado do Norte, a partir das 13h09 (horário local), e a totalidade do ‘anel de fogo’ será vista às 14h55.

Link curto:

TÓPICOS:
G1

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu