Geral

Com mais de 50 rotas, narcotráfico impulsiona violência na Amazônia

Criminosos fazem do rio Amazonas, o maior em volume de água do mundo, ponte principal para movimentação de drogas como cocaína, skunk e maconha

Rastro101
Com informações do site O Tempo

17/06/2022 por Redação

Divulgação/O TempoDivulgação/O TempoAlém de evidentes crimes ambientais como garimpo ilegal, grilagem de terras e desmatamento, a região Amazônica também concentra mais de 50 rotas para o narcotráfico, contabilizando vias de acesso aéreo, terrestre, fluvial e marítimo. A presença de criminosos contribui para a escalada da violência na área de selva, evidenciada com o duplo homicídio cometido contra o jornalista inglês Dom Phillps e o indigenista Bruno Araújo Pereira. 

A informação consta no estudo ‘Cartografias das violências na região Amazônica’, publicado pelo Fórum Brasileiro de Segurança Pública em novembro do ano passado. A pesquisa mapeou todos os locais que servem como pontos de escoamento de entorpecentes como cocaína, maconha e skunk e conectam os territórios do Brasil, Peru, Colômbia e Bolívia.

O crime organizado é operado por facções do Amazonas, como a Família do Norte, mas também por grupos nacionais, em que se destacam o Comando Vermelho e o Primeiro Comando da Capital (PCC). Além das drogas, o tráfico de armas também é comum na região, com a presença também de grupos internacionais.

Há ao menos 10 grandes facções originadas em países da fronteira Amazônica que estabelecem atividades em meio à floresta declarada como patrimônio natural da humanidade pela Unesco. Para garantir a operação do tráfico, os bandidos utilizam de uma engenharia intensa que tem como ponto principal o rio Amazonas - o maior do mundo em volume de água e que possui extensão territorial a 6,9 mil quilômetros. 

Pelo manancial, as cargas de cocaína, skunk e maconha são escoadas tanto para deixar o país, quanto para ingresso em território brasileiro. O rio Solimões, por exemplo, é a ponte com o Amazonas para integração com os rios Javari e Içá para liberação de entorpecentes que saem do Peru.

Outra rota utilizada junto ao Amazonas é via rio Purus, que atravessa o Acre e se conecta à Bolívia e Peru por meio da cidade de Assis Brasil em direção a Manaus. Exclusivamente para a Bolívia, o caminho traçado passa pelo rio Madeira e atravessa a Rondônia utilizando a cidade de Guajará Mirin. O trajeto é finalizado no rio Abunã, que dá acesso à capital boliviana La Paz. 

Conforme o estudo, o rio Japurá é a rota que recebe drogas no Brasil pela fácil conexão com o Solimões e chegada a Manaus. Ainda no Amazonas, ocorre a conexão rio Uaupés, na Colômbia, até a faixa brasileira do rio Negro e o rio Branco, no Acre, passando pela cidade de Pacaraima até Manaus. “Ou seja, o Amazonas é a grande porta de entrada das drogas e a capital Manaus o grande centro distribuidor”, conclui o estudo do Fórum Brasileiro de Segurança Pública. 

Nas vias terrestres, as rotas mais utilizadas passam por Amapá, Maranhão, Mato Grosso, Pará, Rondônia e Tocantins. Na rodovia Cuiabá-Porto Velho se dá a ligação das redes que partem da Bolívia na região de fronteira com Rondônia e a integração de Mato Grosso com o oeste do Pará por meio da BR-163, trajeto que se integra à rodovia Transamazônica, rio Xingu e rio Amazonas, conectando a região de Altamira. 

No caso dos caminhos aéreos, há caminhos clandestinos camuflados em meio à floresta, mas também são utilizadas pistas de pouso dos aeroportos das capitais, como Manaus e Belém. 

Tráfico se cruza a crimes ambientais 

De acordo com o pesquisador associado do projeto Amazônia 2030 e professor do Instituto de Ensino e Pesquisa (Insper), Rodrigo Soares, é comum o envolvimento de grupos ligados ao tráfico com crimes ambientais na região, o que potencializa as estatísticas de violência na Amazônia. Segundo o Fórum Brasileiro de Segurança Pública, as cidades amazônicas têm taxa de 32 mortes violentas por 100 mil habitantes, enquanto a média brasileira é de 22 episódios a cada 100 mil pessoas. 

“O garimpo e a extração ilegal de madeira e a grilagem são três atividades que ocorrem à margem da ilegalidade e os atores que estão ali envolvidos não podem recorrer aos mecanismos tradicionais do sistema de Justiça comum para resolver desacordos contratuais, de disputa de mercado e sucessão. Nesse caso, a violência acaba se tornando uma forma de estabelecer reputação e controle”, explicou Rodrigues, que também construiu estudos sobre a criminalidade na Amazônia. 

Conforme o pesquisador, historicamente o Pará era o estado mais violento da região, mas houve um espalhamento da prática criminosa para outras localidades como o Amazonas, onde o jornalista inglês Dom Phillips e o indigenista Bruno Araújo Pereira foram brutalmente assassinados.

“O que a gente observou nos últimos anos foi uma retirada do Estados nessas regiões, tanto em presença física, de fato, quanto nos discursos de sinalização muito clara, quase que até incentivando, algumas dessas atividades como garimpo e grilagem”, assinala o pesquisador.

Rodrigo Soares cita que o Brasil promoveu um desmonte nos aparatos tecnológicos utilizados para o monitoramento de desmatamento na região da Amazônia. “A gente não faz tudo o que poderia fazer. Temos capacidade tecnológica e institucional de fazer mais do que tem sido feito, principalmente com a presença maior de organizações internacionais do tráfico de drogas na região”, argumentou Soares. 

Abandono 

O coordenador geral da União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja), Paulo Marubo, relatou, em entrevista a O TEMPO, que o sentimento na região, situada no município de Atalaia do Norte, é de abandono. “O que nós queremos agora é o que foi feito no protesto há dois dias atrás pedindo para as autoridades dar atenção à nossa região, porque moramos na tríplice fronteira (Peru, Colômbia e Brasil). É uma região completamente abandonada pelas autoridades, Forças Armadas, Exército e PF”, pleiteou o coordenador da Univaja. 

Ele confirmou as análises da pesquisa do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e indicou grande invasão de garimpeiros que atuam ilegalmente e sem nenhuma fiscalização, além da presença de traficantes. Por lá, as ameaças aos indígenas também são recorrentes. “Dizem que não tem nada, mas também tem pescadores ilegais, caçadores de animais selvagens e madeireiros que tiram madeiras do lado da Amazônia no Brasil e levam para o outro lado, no Peru, e dizem que foram tiradas lá”, acrescentou. 

Link curto: https://bit.ly/3xCoZz5

TÓPICOS:
Dom E Bruno

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

PUBLICIDADE

menu