Geral

Manifestação em Londres pede respostas por indigenista e jornalista desaparecido

A vigília é organizada pelo Greenpeace britânico, que cobra o governo brasileiro para reforçar as buscas pelos dois

Rastro101
Com informações do site O Tempo

09/06/2022 por Redação

Divulgação/O TempoDivulgação/O TempoEm silêncio e segurando rosas e cartazes com as imagens do indigenista Bruno Pereira e do jornalista britânico Dom Phillips, um grupo de manifestantes faz uma vigília ao lado de fora da Embaixada do Brasil em Londres para que o governo brasileiro reforce as buscas pelos dois, desaparecidos desde domingo (5) na região do Vale do Javari (AM).

O governo brasileiro deve fazer mais para encontrar Dom e Bruno, pedem os manifestantes. A vigília é organizada pelo Greenpeace britânico.

Em publicação nas redes sociais, a organização ambiental afirmou que o desaparecimento ocorre em meio ao aprofundamento da política anti-indígena do governo de Jair Bolsonaro (PL).

Bolsonaro está tentando acabar com a estrutura legal que protege os recursos naturais e os direitos fundamentais dos povos indígenas no Brasil, diz o Greenpeace britânico.

Para a organização, as atitudes do presidente estimulam grileiros, garimpeiros e madeireiros ilegais a invadir terras indígenas na Amazônia.

Atualmente tramitam no Congresso Nacional diversos projetos de lei que ameaçam as terras indígenas. Enquanto isso continuar, os povos indígenas e seus lares estarão em grave perigo, afirma o Greenpeace.

Em inglês, a organização pediu que o governo brasileiro, o Ministério da Justiça, a Polícia Federal e a Embaixada do Brasil mobilizem todos os esforços necessários para encontrar o indigenista e o jornalista.

Qualquer coisa menos do que isso só mostra como estão incentivando a violência contra aqueles que defendem a Amazônia e seu povo, publicou a organização.

Phillips e Pereira desapareceram enquanto viajavam da comunidade de São Rafael para a cidade de Atalaia do Norte. O trajeto deveria durar cerca de duas horas, mas ambos não retornaram à cidade.

Segundo a União dos Povos Indígenas do Vale do Javari (Univaja) e o Observatório dos Direitos Humanos dos Povos Indígenas Isolados e de Recente Contato (Opi), o último registro que se tem dos dois aconteceu na manhã do domingo, na comunidade de São Rafael.

As entidades afirmam que o indigenista sofria ameaças. (Folhapress)

Link curto: https://bit.ly/3tr39gJ

TÓPICOS:
Vale Do Javari

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu