Geral

China confina cidade de 9 milhões de habitantes por surto de Covid

Moradores terão de permanecer em suas casas e apenas uma pessoa por lar poderá sair uma vez a cada dois dias

Rastro101
Com informações do site O Tempo

11/03/2022 por Redação

Divulgação/O TempoDivulgação/O TempoConfrontadas ao pior surto epidêmico em dois anos, provocado em grande parte pela variante ômicron do coronavírus, as autoridades chinesas ordenaram nesta sexta-feira (11) o confinamento dos nove milhões de habitantes da cidade de Changchun, no nordeste do país.

Assim, os habitantes desta cidade terão de permanecer em suas casas e apenas uma pessoa por lar poderá sair uma vez a cada dois dias, informou a prefeitura, que prevê submeter toda a população a testes de detecção da Covid.

Este é o maior confinamento anunciado pela China desde o imposto na metrópole de Xian (norte), quando 13 milhões de habitantes foram postos em quarentena no final do ano passado por um mês. 

A prefeitura ordenou o fechamento de escolas e lojas e a interrupção do transporte público. É proibido sair da cidade, que registrou centenas de casos nos últimos dias.

Changchun, a cidade da primavera eterna, é a capital da província de Jilin, que faz fronteira com a Coreia do Norte.

A China, onde o vírus foi detectado pela primeira vez no final de 2019, interrompeu a epidemia rapidamente, na primavera de 2020, adotando medidas de confinamento muito rígidas que afetaram cidades inteiras.

O gigante asiático conseguiu controlar, em grande medida, o avanço dos contágios, chegando a um balanço oficial de pouco mais de 100 mil casos - 4.636 deles fatais - em dois anos. 

A variante ômicron provocou, no entanto, surtos localizados. Nas últimas 24 horas, 1.369 casos foram registrados, segundo o Ministério chinês da Saúde. 

Trata-se de um valor ainda muito baixo em comparação com o restante do mundo, mas é o mais alto registrado pela China desde a primeira fase da pandemia, no início de 2020. 

Desse total, as autoridades registraram 158 casos importados e 814 casos assintomáticos que fazem parte de uma contagem em separado.

Dado o aumento de casos, o país anunciou que vai introduzir pela primeira vez a utilização de testes rápidos de antigênios, que podem ser adquiridos em hospitais, farmácias, plataformas de vendas online e outros canais.

Refinar medidas

O pico epidêmico ocorre enquanto em Hong Kong (sul) as infecções estão fora de controle, com hospitais transbordando de pacientes e a população local saqueando supermercados, em pânico, com medo do confinamento.

Na cidade, 73% dos refugiados e requerentes de asilo têm sérias dificuldades para se alimentar, pois não conseguiram comprar alimentos entre o final de fevereiro e o início de março, segundo um estudo publicado nesta sexta-feira pela organização Refugee Concern Network (RCN).

Essa situação sugere que os 14.000 refugiados e requerentes de asilo em Hong Kong estão enfrentando uma situação humanitária catastrófica, disse o RCN em comunicado. Cerca de 120 refugiados participaram do estudo. 

Um cientista chinês declarou na semana passada que o país deveria tentar conviver com o vírus e que as autoridades poderiam abandonar sua estratégia de covid zero em um futuro próximo.

Pouquíssimos chineses foram infectados com a Covid e a imunidade coletiva vem quase inteiramente de vacinas fabricadas no país, segundo o especialista Zeng Guang, que considerou que a China seria mais fraca contra o vírus do que os países ocidentais.

No entanto, as autoridades não parecem dispostas a abandonar sua estratégia. Devemos aperfeiçoar constantemente as medidas contra a epidemia, disse o primeiro-ministro Li Keqiang durante um discurso aos deputados em 5 de março. 

As medidas foram reforçadas em muitas partes do país, como em Xangai, a cidade mais populosa da China (25 milhões de habitantes), onde os alunos devem acompanhar as aulas online.

Link curto: https://bit.ly/3MBMxep

TÓPICOS:
Restrição

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu