Geral

Rafael Cortez lança álbum e comanda atração na TV Cultura

Mais centrado na carreira, artista aproveitou o período de pandemia para se dedicar à música e ao talk show 'Matéria Prima'

Rastro101
Com informações do site O Tempo

30/11/2021 por Redação

Divulgação/O TempoDivulgação/O TempoConhecido no Brasil desde quando integrou a equipe do extinto programa CQC, na Band, Rafael Cortez seguiu seu caminho de forma independente. Agora com 45 anos e quase 30 de carreira, o humorista paulistano provou ter potencial para ir mais além.

Formado em jornalismo, o rapaz ampliou o campo de atuação ao agregar ao currículo trabalhos como ator e humorista. E, para surpresa de muitos, também se revelou um violonista capaz de gravar um álbum inteiro com canções instrumentais. Mas esse não seria o primeiro nem o último e agora ele lança um novo trabalho musical, autoral e produzido com recursos próprios.

Que Sorte a Minha traz 11 canções compostas por ele, que refletem o período de pandemia. E não é só isso que tem agitado sua vida nesses tempos. Ele acaba de estrear no comando do talk show Matéria Prima, na TV Cultura.

Rafael Cortez revela estar em um momento particularmente positivo de sua carreira, de amadurecimento. Eu estou muito feliz, todos os dias tenho me emocionado, diz o cantor e humorista sobre conseguir ir adiante com projetos pessoais. Em um país como o nosso, num momento tão frágil da cultura, tão dramático, como o que a gente está vivendo, estou aqui como um realizador de conteúdo, e o mais legal, tudo autoral, reflete.

Com trabalhos no teatro, TV, cinema, música e humor, Cortez comenta o seu mais recente trabalho, o CD Que Sorte a Minha, e o que ele significa em sua vida. Ele (o álbum) representa uma afirmação de que eu vou continuar fazendo conteúdos, independentemente das marés, diz.

É a consolidação do fazer, sou fiel a esse princípio de que é necessário, a despeito de governos, pandemia, dinheiro, ou de crítica, seguir fazendo.

Ritmos

Gravado na pandemia, o álbum de Cortez conta com direção musical de Pedro Mariano e produção de Patricia Fano. Orgulhoso do seu time, o cantor diz que esse trabalho tem a sua cara e que a lapidação feita por Mariano deixou o produto bem mais elaborado. Um dos aspectos que ele ressalta é o fato de o álbum conter músicas em gêneros variados. Eu gosto de ouvir um disco e ver curvas, gráficos, detestaria a ideia de fazer um disco de faixa contínua, avalia.

 




 


 

 



 




Ver essa foto no Instagram


 



 

 

 



 

 



 

 

 




 

 


Uma publicação compartilhada por Rafael Cortez (@rafaelcortez)


O álbum traz uma miscelânea de ritmos e a maior parte das canções nasceu na pandemia, afirma, lembrando que, nesse período, ao ser ver com tanto tempo livre, decidiu aproveitar ao máximo, produzindo algo novo. Eu poderia ter maratonado séries, lido os livros que estou devendo para mim mesmo ou ouvido a maior parte desses discos que estão aqui na minha estante, e muitos deles eu nunca ouvi, diz. Mas foi na direção de criar alguma coisa nova que segui, para não ficar louco também. Das 11 composições do novo trabalho, Rafael Cortez revela que a que dá nome ao disco, Que Sorte a Minha, é uma canção de amor feita para sua namorada, Marcella Calhado. Mas explica que, mesmo sendo dedicada a ela, a letra não tem gênero.   Há muitas músicas que deixo em gênero neutro, que podem ser cantadas de um homem para uma mulher, de um homem para um homem, de uma mulher para uma mulher, assim elas podem surtir efeito em qualquer relacionamento afetivo. Na televisão Cortez comemora essa fase criativa e de projetos concretizados como o de estar no comando do programa Matéria Prima, que estreou recentemente na TV Cultura e vai ao ar aos sábados, às 20h. Segundo o apresentador, até chegar à emissora paulista, a trajetória foi longa, um trabalho de quase dez anos. Com relação a usar o nome do antigo programa apresentado por Serginho Groisman, Cortez conta que é difícil encontrar um nome que ainda não tenha sido patenteado por alguém. Por isso, a ideia de usar esse nome, que já pertencia à emissora Nesse novo formato, com o DNA de Cortez, cada programa tem uma provocação e a ideia é tirar as pessoas do lugar-comum, observa, citando o caso do cantor Supla, que estará em um dos blocos do programa tocando um samba de Vinicius de Moraes e Baden Powell, ao violão. Projetos Cortez tem ainda novos trabalhos pela frente, com a apresentação da série Voluntários, Tudo pela Ciência, da Disney+. E integra o projeto da TV Cultura com o diretor Luiz Fernando Carvalho, que tem o título provisório O Sono do Homem Branco, e no qual interpreta o Marquês de Marialva.

Link curto: https://bit.ly/3lm63PS

TÓPICOS:
Novos Projetos

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu