Crimes

Trabalhadores alagoanos denunciam trabalho escravo em fazenda de café

Homens eram obrigados a pagar pela água, alimento, e tinham que dormir no chão em uma casa sem banheiro

Redação com informações do G1 Bahia
23/05/2018 por Redação, atualizado em 23/05/2018 às 11h13 por Redação

Grupo de 38 alagoanos chegou à propriedade na última quarta-feira (16). (Foto: Site Bahia Dia a Dia)Grupo de 38 alagoanos chegou à propriedade na última quarta-feira (16). (Foto: Site Bahia Dia a Dia)Um grupo de 38 alagoanos recrutados para trabalhar em uma colheita de café no distrito de Caraíva em Porto Seguro denunciaram ao Ministério Público do Trabalho (MPT-BA) terem sido vítimas de trabalho análogo a escravidão, além de terem sido abandonados sem dinheiro na rodoviária de Itabela. O dono da propriedade, que não foi identificado, ainda não foi localizado.

De acordo com as informações, os trabalhadores chegaram à Bahia no último dia 16, vindos da cidade de Murici/AL. Eles contaram que o proprietário da fazenda prometeu que eles teriam direito a alojamento, material de trabalho, alimentação e remuneração diária de até R$ 100.

Entretanto, quando chegaram ao local perceberam as condições precárias, já que na casa não havia banheiro e todos tinham que dormir no chão. Eles ainda informaram ao MPT que tinham que pagar pela água, comida e dormitório e eram ameaçados por homens armados.

*** TEXTO CONTINUA APÓS PUBLICIDADE ***
Os trabalhadores ainda disseram que o valor pago a eles era bem menor do que aquele que havia sido prometido. Além disso, os homens também denunciaram a falta de equipamentos de proteção.

Segundo o MPT, o grupo se recusou a trabalhar em condições tão precárias e então o proprietário da fazenda então deixou todos os homens na rodoviária de Itabela na última segunda-feira. Desorientados e sem recursos, os trabalhadores procuraram a prefeitura da cidade, que ao tomar conhecimento da situação, acionou MPT e o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE).

Condições eram precárias na fazenda em Caraíva. (Foto: Divulgação/MPT-BA)Condições eram precárias na fazenda em Caraíva. (Foto: Divulgação/MPT-BA)

Uma auditora do MPT e uma procuradora se dirigiram até a rodoviária onde conversaram com os trabalhadores e os encaminharam á uma pousada, que será paga pelo MPE. A alimentação fica a cargo da Prefeitura de Itabela.

Segundo o MPT, que está aguardando a liberação do seguro-desemprego dos trabalhadores para que estes possam retornar para suas casas. O órgão ainda está investigando as condições dos contratos para confirmar se os trabalhadores foram mesmo vítimas de situação análoga à de escravidão.

Link curto: http://bit.ly/2IEYF0D

TÓPICOS:
Trabalho Escravo caraíva alagoanos

COMPARTILHAR

PUBLICIDADE

MAIS NOTÍCIAS DO RASTRO101
menu