Menu

MENU

PUBLICIDADE

Publicado: 09/03/2016, por Redação Atualizado: 12/03/2016 às 21h18, por Redação

Justiça

Cerca de 80 integrantes sem-terra agridem vigilantes de empresa em Eunápolis

Invasão, agressões e depredação teriam ocorrido durante reintegração de posse em áreas produtivas da Veracel

Por Alan Vilaça

Na madrugada desta quarta-feira (9), cerca de 80 pessoas armados com armas de fogo, foices e facões, com suporte de um caminhão e vários carros e motos atacaram vigilantes da empresa Visel que estavam de serviço em área da Veracel, em Eunápolis/BA. Em ato planejado com táticas de guerrilha, o grupo armado cercou os veículos de vigilância, agrediram os trabalhadores, mantiveram reféns por mais de duas horas sob tortura, ameaça de morte e depredação dos carros. O vigilantes trabalham desarmados e realizam rondas de vigilância patrimonial em áreas da empresa. Durante a ação, o grupo se apresentou como integrantes do movimento União de Resistência Camponesa (URC).

A ousadia do ataque ocorre no momento em que estão sendo cumpridas ações de reintegração de posse em áreas produtivas da Veracel que estão sob ocupação de movimentos sociais fora do Acordo firmado entre o Governo do Estado da Bahia, INCRA e seis movimentos sociais e a Veracel em 2011. Desde aquela Desmatamento criminoso realizado por membros da URC no final de 2015. (Arquivo/Rastro101)Desmatamento criminoso realizado por membros da URC no final de 2015. (Arquivo/Rastro101)
época, novos grupos surgiram e ocuparam novas áreas da empresa. Enquanto o Governo do Estado e o Incra buscam soluções para assentar famílias pertencentes a esses novos movimentos sociais, a Veracel Celulose busca garantir as ações para retomar as atividades florestais das áreas ocupadas ilegalmente. O ataque pode ter sido uma retaliação, ignorando o efetivo policial de quatro companhias especiais da Polícia Militar presentes na região.

O fornecimento de matéria-prima para produção de celulose está sob ameaça. A destruição de plantios por vandalismo, incêndios criminosos e ocupações fora do Acordo representam perdas que comprometem também a geração de empregos, negócios e impostos associados à esta produção.

ACORDO - A empresa está ofertando 16,5 hectares destinadas ao Acordo que evoluiu para um projeto de assentamentos sustentáveis coordenado por uma instituição de ensino e pesquisa, com suporte técnico e de gestão, para a implementação de assentamentos sustentáveis na região. A proposta contempla cerca de mil famílias ligadas ao Movimento dos Trabalhadores sem Terra (MST), à Federação dos Trabalhadores da Agricultura (Fetag), ao Movimento de Luta pela Terra (MLT), à Frente dos Trabalhadores Livres, ao Movimento de Resistência Camponesa (MRC) e à Associação dos Produtores Unidos Venceremos (Aprunve).

Comunicar erro na matéria

COMUNICAR ERRO

Este espaço destina-se apenas à comunicação de erros encontrados em nossos textos. Preencha os campos abaixo informando os detalhes do erro.



PUBLICIDADE

TÓPICOS: Urc Mst Veracel Vandalismo Sem Terra Veja mais
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Estamos nas redes sociais:

PUBLICIDADE

Últimas no Rastro

PUBLICIDADE
  Receba nossas notícias
PUBLICIDADE
Cadastre-se no Rastro101 e receba nossas notícias



RASTRO101
© COPYRIGHT 2011-2017 | DR WATSON INFORMÁTICA E PUBLICIDADE LTDA.