Menu

MENU

PUBLICIDADE

Publicado: 10/03/2015, por Redação Atualizado: 10/03/2015 às 20h45, por Redação

Eventos

Fundação responsável pela manutenção da história da Bahia tem novo diretor

A Fundação Pedro Calmon, responsável e portadora de grandes acervos que conta a história e influencias culturais da Bahia tem novo diretor

Redação Rastro 101 com base no texto de: Juliana Geambastiani


(Foto: facebook/fpedrocalmon)(Foto: facebook/fpedrocalmon)As 10h da manhã de Ontem (9), aconteceu a cerimônia na sala Walter da Silveirapara, nos Barris em Salvador, para empossar como novo diretor geral da Fundação Pedro Calmon, o arquiteto baiano Edvaldo Mendes Araújo, de 62 anos, mais conhecido como Zulu Araújo. A solenidade contou com aproximadamente 200 convidados, dentre autoridades, professores, entidades e personalidades baianas.

A Fundação Pedro Calmon e suas unidades são responsáveis pela manutenção da história cultural da Bahia através dos bibliografia, é uma das principais organizações que incentivam a literatura na Bahia, e assim promove impactos direto na formação intelectual e moral de todos envolvidos nos projetos da Fundação.

Arany Santana (diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias) e Zulu Araújo (Foto: facebook/fpedrocalmon)Arany Santana (diretora do Centro de Culturas Populares e Identitárias) e Zulu Araújo (Foto: facebook/fpedrocalmon)Aramis Ribeiro, presidente da Academia de Letras da Bahia destacou a importância da Fundação e de suas unidades para a sociedade: “Ela é fundamental para a cultura baiana, pois trabalha com Biblioteca, Memória e Livro, áreas que precisam muito de ações afirmativas. O livro e o autor baiano precisam ser conhecidos, ter canais de editoração, distribuição. Há muito trabalho a ser realizado”.

O ex-diretor da Fundação, Claudius Portugal também se pronunciou em discurso na solenidade: “Agora sob a direção de Zulu sei que será uma época de muito trabalho, pois este é o seu perfil, seu princípio e seu objetivo. E sei de sua capacidade em realização. Estamos diante de um anti-Macunaíma. Nada de ‘ai, que preguiça’. Estejam avisados. Desafio e luta são seus estímulos” e agradeceu e destacou a importância da Fundação em seu desenvolvimento profissional e pessoal.

(Foto: facebook/fpedrocalmon)(Foto: facebook/fpedrocalmon)A sociedade civil também se fez presente no evento, em especial os envolvimentos com Bibliotecas e Livro e Leitura. “Minha expectativa é de ter as Bibliotecas Comunitárias como centros de estudo, de cultura, que desenvolvam e viabilizem projetos já que hoje é difícil que as pessoas se dirijam até elas. Temos que conseguir que o povo leia, que se aproprie da informação e as unidades comunitárias são o acesso mais próximo disso”, disse Isabel Cristina Souza, membro do colegiado setorial de Biblioteca.

A senadora Lídice da Mate também se pronunciou lembrando da proposta da Deputada Federal Alice Portugal de transformar a Biblioteca Central da Bahia em biblioteca Nacional na Bahia e prosseguiu dizendo: “O Arquivo é uma instituição que conta nossa história, que preserva nosso patrimônio documental e a Biblioteca – bicentenária – precisa de mais cuidados. Ela pode ser uma Biblioteca Nacional na Bahia, como ela nasceu, e trabalharemos juntos para garantir que isso se concretize.”

Jorge Portugal o Secretário de Cultura do Estado da Bahia, fez seu pronunciamento emocionado, com a participação do cantor Lazzo Matumbi e disse que as demandas da Fundação serão fortalecidas junto ao governo do Estado.

Zulu Araújo assinando o documento de posse como Diretor Geral da Fundação (Foto: Facebook/fpedrocalmon)Zulu Araújo assinando o documento de posse como Diretor Geral da Fundação (Foto: Facebook/fpedrocalmon)O novo diretor em seu discurso de posse, agradeceu aos presentes, falou um pouco sobre suas experiencias como gestor público e quais as suas expectativas para esse novo cargo, um trecho de seu discurso: “A Bahia é um estado continental por natureza. E o meu primeiro compromisso é o de manter, ampliar e consolidar o diálogo da Fundação Pedro Calmon com o Brasil, a América Latina e o continente africano, por meio do intercâmbio e ações que proporcionem a troca de experiências e vivências no nosso campo de atuação. Portanto, assumo a direção da Pedro Calmon, com a responsabilidade de dar continuidade a este imenso legado positivo deixado pelos meus antecessores, mas com a certeza de que a alegria e cidadania são coisas que caminham juntas e que sisudez não é sinônimo de seriedade, até porque somos nós a alegria da cidade.”

Trajetória de Edvaldo Mendes Araújo (Zulu Araújo)

(Foto: Facebook/fpedrocalmon)(Foto: Facebook/fpedrocalmon)Atua na militância do movimento negro. Ele foi diretor de Cultura e conselheiro do Grupo Cultural Olodum por 10 anos, administrador e coordenador cultural da Praça do Reggae, assessor especial da Secretaria de Cultura da Bahia e da Fundação Cultural do Estado e coordenador-geral da celebração dos 300 anos de Zumbi dos Palmares. Em 2003, se tornou diretor de Promoção, Intercâmbio e Divulgação de Cultura Afro-brasileira da Fundação Palmares. Em 2007, indicado pelo então ministro Gilberto Gil, para presidir a fundação. Além disso, foi representante do Brasil na Comunidade dos Países de Língua Portuguesa




Comunicar erro na matéria

COMUNICAR ERRO

Este espaço destina-se apenas à comunicação de erros encontrados em nossos textos. Preencha os campos abaixo informando os detalhes do erro.



PUBLICIDADE

TÓPICOS: Cultura Bahia História Veja mais
PUBLICIDADE
PUBLICIDADE

Estamos nas redes sociais:

PUBLICIDADE

Últimas no Rastro

PUBLICIDADE
Receba nossas notícias
PUBLICIDADE
Cadastre-se no Rastro101 e receba nossas notícias



RASTRO101
© COPYRIGHT 2011-2017 | DR WATSON INFORMÁTICA E PUBLICIDADE LTDA.